Monitorização das Condições Ambientais

As condições adequadas de temperatura e de humidade relativa (HR) do ar, são ambas consideradas como elementos vitais para prolongar a longevidade dos documentos.

Desta forma, a humidade relativa do ar deve estar entre 45% e 55% e a temperatura ideal para os documentos é de 20ºC, devendo existir a preocupação de estabilidade destes factores, pois as mudanças bruscas ou constantes podem ser prejudiciais.1

De acordo com as instruções constantes do documento “Procedimentos básicos de preservação/conservação preventiva de Documentos Gráficos” da Divisão de Preservação, Conservação e Restauro da DGARQ, atingir valores ideais de temperatura e humidade relativa num edifício ou em parte dele, pode depender de um sistema de ar condicionado bem calibrado, ou do próprio clima local, pode ainda beneficiar da ausência de infiltrações ou da existência de uma ventilação adequada.

  • Relativamente à temperatura, os valores não devem ser demasiado elevados, sob pena de aumentarem a possibilidade de deterioração química dos materiais presentes.
  • No que diz respeito à humidade relativa será de realçar que os valores elevados e as oscilações da humidade relativa são ainda mais prejudiciais do que as variações verificadas na temperatura e estão directamente relacionadas com o aparecimento de fungos.
  • Deve-se alertar para o perigo que representam as flutuações nos valores da temperatura e da HR, que são susceptíveis de provocar reacções químicas, aumentando a deterioração das obras.
  • Devemos também salientar a necessidade de obtenção de baixas temperaturas e valores de humidade relativa controlados, uma vez que se sabe que duplica a longevidade dos bens arquivísticos por cada 5º C de temperatura mais baixa que se obtiver.

Em suma, após o exposto acerca da temperatura e da humidade, pode-se referir que ambos são factores climáticos que contribuem significativmente para a deterioração do material bibliográfico.

Podem ser consideradas fontes de humidade: chuva, rios próximos; limpezas aquosas, infiltrações por janelas, paredes e tectos. Para combater tal situação [controlo climático] existem enúmeros equipamentos desde um simples ar condicionado até os sistemas mais sofisticados, designadamente: sistemas centrais de refriamento, calefacção, humidificação e desumidificação do ar. Nos locais em que não há possibilidade de disponibilizarem tais equipamentos, pode-se utilizar a ventilação natural ou forçada recorrendo a um controlo simultâneo de humidade e de temperatura.

aparelhomedirtemperaturye1.jpg

Imagem 2: Aparelho electrónico para medir a temperatura e a humidade com precisão.

Desta forma, para um eficaz controlo das condições ambientais, deverá existir um controlo dos factores externos de degradação, debruçando-se sobre dois aspectos, designadamente:

  • Embalagens para acondicionamento de volumes, que tem a função de proteger o material contra agentes externos ou ambientais;
  • Higienização do espaço físico e do acervo bibliográfico, eliminando a poeira e outras sujidades, que são elementos atractivos de insectos e roedores e que tornam o ambiente propício à proliferação de fungos e bactérias.
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License